Porto Alegre, 14 de fevereiro de 2018                                              Ano 12 - N° 2.674

 

Manteiga e requeijão estão de volta ao carrinho dos brasileiros

Depois de muita racionalização, os brasileiros estão aos poucos retomando alguns hábitos de consumo graças à diminuição da inflação e à queda dos índices de desemprego. Itens como manteiga, batata congelada, requeijão e azeite, por exemplo, voltaram para a cesta de compras em 2017 - os dados comparam os 12 meses terminados em novembro de 2017 com o mesmo período do ano anterior.

De acordo com o levantamento da Kantar Worldpanel, só a manteiga ganhou 3,9 pontos percentuais de penetração nos meses analisados, ou seja, mais de dois milhões de novos lares consumiram o produto. A batata congelada, cujo crescimento foi de 2,7 pontos percentuais, atingiu mais de 1,4 milhões de novos domicílios.

 

Itens como massa fresca, adoçante, água mineral, escova dental e shampoo também registraram índices positivos. Além de novos compradores, essas categorias cresceram em volume e valor, tendo agora pela frente o desafio de aumentar sua frequência. (As informações são da Kantar Worldpanel)

 

Languiru distribui cerca de R$ 2,4 milhões em sobras aos associados - Cooperativa teutoniense também remunera o capital do quadro social e apresenta resultado líquido superior a R$ 17,6 milhões
 
Faturamento bruto de R$ 1,228 bilhão, resultado líquido de R$ 17,6 milhões, patrimônio líquido de R$ 192,4 milhões, sobras de aproximadamente R$ 2,4 milhões a serem distribuídas aos associados e remuneração do capital do quadro social. Essas foram algumas das boas notícias apresentadas pela Cooperativa Languiru na sua Assembleia Geral Ordinária (AGO), realizada no dia 08 de fevereiro, no Salão Social da Associação dos Funcionários da Languiru, com a participação de mais de 200 pessoas, entre associados, colaboradores, autoridades e representantes de entidades parceiras.
Nas boas-vindas, o presidente da Languiru, Dirceu Bayer, ressaltou a importância dos associados na tomada de decisões da cooperativa e iniciou a apresentação do Relatório de Atividades do exercício de 2017, detalhando o desempenho dos diferentes setores, perspectivas e estratégias. O vice-presidente Flávio João Walter proferiu a leitura do edital de convocação da AGO.
 
Aumento da capacidade produtiva
 O gerente executivo de indústrias, Fabiano Leonhardt, apresentou o demonstrativo do desempenho técnico para os setores de aves, suínos, leite e rações. Destaque para a evolução da produção nas indústrias e as dificuldades da cadeia produtiva do leite. "A redução da captação de leite demonstra a situação complicada do setor, com muitos produtores desistindo ou mudando de atividade", explicou Leonhardt, mencionando parcerias da Languiru para a industrialização de leite para terceiros como estratégias para auxiliar na diluição do custo fixo e melhor aproveitamento da capacidade produtiva instalada na Indústria de Laticínios. No que se refere à Fábrica de Rações, enalteceu o expressivo incremento no volume de milho em grão recebido dos associados da cooperativa. "O resumo das indústrias da Languiru apresenta a maior utilização da capacidade produtiva nas quatro unidades", concluiu.
 
Desempenho econômico
 O demonstrativo do desempenho econômico foi apresentado pelo diretor-administrativo da Languiru, Euclides Andrade, e pela gerente executiva de controladoria, Carla Gregory. Destaque para a diversidade de negócios e ranking dos 67 municípios com associados produtores, além das demonstrações financeiras. "A estrutura diversificada e equilibrada da Languiru garante a estabilidade econômica da cooperativa", frisou Andrade.
O faturamento bruto do último exercício foi de R$ 1.228.849.052,92, com resultado líquido de R$ 17.685.331,94 e patrimônio líquido de R$ 192.468.078,99. "O ganho de resultado da Languiru é fruto da produtividade de associados e colaboradores, da otimização da capacidade produtiva das unidades industriais, aliado à redução de custo dos insumos, como milho e farelo de soja, que voltaram a patamares normais", explicou o diretor-administrativo.
Em seguida, auditores da PwC apresentaram o trabalho de auditoria externa independente realizado na análise dos números da Languiru, e o coordenador do Conselho Fiscal, Gilberto Valdir Brune, apresentou parecer quanto às contas do exercício de 2017. "A auditoria auxilia nos processos de gestão, nos dá tranquilidade para trabalhar. Queremos ser auditados e fiscalizados, esse parecer da auditoria externa independente é muito importante", acrescentou Bayer.
Andrade também apresentou orçamento e plano de atividades para 2018, com a perspectiva de ingresso de receitas e crescimento no resultado líquido. "É um novo desafio que temos pela frente, com investimentos que devem totalizar cerca de R$ 20,6 milhões, especialmente nos frigoríficos e nos supermercados", enumerou.
Na votação das contas, os associados aprovaram por unanimidade as peças contábeis.
 
R$ 2,4 milhões em sobras
 Carla detalhou a proposta da direção quanto à destinação das sobras do exercício aos associados da Languiru, que totalizam mais de R$ 2,4 milhões. "No exercício de 2016 a cooperativa não distribuiu sobras ao quadro social, mas remunerou em 12% o capital social. O valor que cada associado tem a receber varia conforme a movimentação de venda de matéria-prima e compra nas unidades da cooperativa. Além do pagamento da Conta Movimento, a Languiru ainda irá remunerar a conta capital em 7%, o que representa mais de R$ 5 milhões. Somando, são mais de R$ 7 milhões que retornam aos associados, reflexo do bom desempenho da Languiru em 2017", explicou Bayer, lembrando que o pagamento da Conta Movimento inicia no mês de março, quando a cooperativa também passa a fornecer o informe de rendimentos para declaração do Imposto de Renda dos associados.
 
Eleição e posse do Conselho Fiscal
 Por fim, a comissão eleitoral conduziu o processo de eleição e posse dos membros do Conselho Fiscal, cuja renovação de dois terços ocorre anualmente. Com o registro de apenas uma chapa eleitoral em tempo hábil, a escolha se deu por aclamação.
O Conselho Fiscal da Languiru para a gestão 2018-2019 conta com os conselheiros efetivos Gilberto Valdir Brune, de Linha Clara, município de Teutônia; Merice Brummelhaus Strate, de Linha Boa Vista, município de Teutônia; e Valmir Antônio Rauber, de Linha Picada, município de Arroio do Meio. Os conselheiros fiscais suplentes são Lário Knebel, de Travessão, município de Paverama; Valmor Planthold, de Linha Catarina, município de Teutônia; e Milton Wahlbrinck, de Linha Progresso, município de Imigrante.
 
Elogios
 A ordem do dia da assembleia ainda abriu espaço para outros assuntos de interesse social sem caráter deliberativo e pronunciamentos de autoridades, convidados e associados. Na ocasião, entre outras falas, o diretor-executivo da Federação das Cooperativas Agropecuárias do Rio Grande do Sul (Fecoagro), Sérgio Feltraco, enalteceu a evolução dos números apresentados. "A Languiru desenvolve um excelente trabalho, fortalecendo o cooperativismo agropecuário gaúcho. Observando a evolução dos resultados das 35 cooperativas que a Fecoagro tem acompanhado, a Languiru é a que teve o maior crescimento. Mesmo diante de todas as dificuldades, teve capacidade de enfrentamento, entregando aos seus associados, donos da cooperativa, um excelente resultado. Isso engrandece o setor", parabenizou.
O presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Colinas, Seno Celso Messer, parabenizou a Languiru pelo desempenho no exercício de 2017 e reafirmou o valor das parcerias. "A Languiru está em crescimento e precisa seguir evoluindo para que os associados também possam crescer", disse, mencionando parceria do Sindicato com a cooperativa na venda de insumos e implementos e assistência aos produtores rurais de Colinas.
Encerrando a programação, o presidente Dirceu Bayer ainda falou de parceria com a laticínios Tirol, de Santa Catarina, no envase de leite da empresa catarinense na Indústria de Laticínios da Languiru em Teutônia; parceria com a coirmã Cosuel, de Encantado; e apresentou perspectivas quanto à cadeia produtiva do leite e projetos futuros para o setor de carnes. "Em condições normais, sem que o governo importe volumes absurdos de leite em pó de países como o Uruguai e a Argentina, as perspectivas são favoráveis. Aos que puderam suportar as dificuldades, há sinais de dias melhores. A Languiru inicia uma nova fase depois de período turbulento, novas oportunidades estão por vir, somos uma cooperativa forte e com perspectivas inovadoras. Estamos no caminho certo comemorando bons resultados", concluiu, pregando a união de esforços e a agenda positiva. (Assessoria de Imprensa Languiru)


Falta de chuva na Nova Zelândia eleva preço de lácteos

A falta de chuvas na Nova Zelândia nos últimos meses, refletindo condições climáticas compatíveis com o fenômeno La Niña, afeta a produção de leite no país da Oceania, o que tem influenciado os preços internacionais dos lácteos desde o começo do ano. As cotações desses produtos na plataforma Global Dairy Trade (GDT), que realiza leilões quinzenais com oferta principalmente da Nova Zelândia, sobem desde o início de 2018. Só no último leilão, no dia 6 de fevereiro, o leite em pó integral - o produto mais negociado nesses pregões - subiu 7,6%. No acumulado do ano, o produto teve alta de mais de 17%, considerando que no fim de 2017 estava em US$ 2.755 por tonelada e alcançou US$ 3.226 este mês. Com a falta de chuvas, a produção de leite na Nova Zelândia caiu 4,6% em dezembro passado em comparação com igual mês do ano anterior, considerando os sólidos de leite (soma da proteína total e de gordura). No país, as vacas são criadas de forma extensiva, portanto o regime de chuvas é crucial para as pastagens usadas na alimentação do rebanho. No ano de 2017, a produção acumula alta de 1,4%. "O clima na Nova Zelândia está atrapalhando a produção de leite", diz Valter Galan, analista da consultoria MilkPoint. 



A cooperativa Fonterra, maior produtora de lácteos da Nova Zelândia, registrou uma queda de 6% na captação de leite em dezembro de 2017 na comparação anual. Com isso, estimou um recuo de 3% na captação na safra 2017/18, que termina em 31 de maio. A Fonterra, que é a maior exportadora de lácteos do mundo, é a também principal ofertante nos leilões da plataforma GDT. Segundo Rafael Ribeiro, analista da Scot Consultoria, a produção de leite deverá seguir em queda na Nova Zelândia até a entressafra (junho e julho). E a seca no país, avalia ele, pode agravar esse recuo na produção da matéria-prima, o que tende a se refletir na oferta de lácteos do país no mercado internacional. Afora a produção menor na Nova Zelândia, a valorização do euro em relação a outras moedas também reduziu a competitividade dos lácteos europeus, o que contribuiu para alta nos leilões internacionais, acrescenta Galan. Para ele, não é possível afirmar que a recente valorização seja uma tendência, uma vez que a oferta de leite cresceu em outras regiões produtoras do mundo. Na Europa, a alta foi de 1,6% entre janeiro e novembro do ano passado e nos EUA, de 1,4% em 2017. "Ainda há 40% da safra da Nova Zelândia por vir", comenta o analista. A safra 2017/18 no país vai até 31 de maio. Do lado da demanda internacional por lácteos, a expectativa é que siga crescendo, segundo Galan. A China, maior importadora global, elevou em 12% as compras de lácteos em 2017, para 1,55 milhão de toneladas. "As previsões indicam que a economia da China vai continuar a crescer como em 2017. Se isso se confirmar, deve aquecer a demanda", afirma o analista. A alta do petróleo também é um fator que estimula a demanda por lácteos por parte de países produtores da commodity, acrescenta. (Valor Econômico) 
 

A empresa suíça de lácteos Emmi teve uma receita líquida de 3,364 bilhões de francos suíços em 2017, alta de 3,2% em comparação com os 3,258 bilhões de francos suíços do ano anterior. Conforme informou, a empresa, que tem participação no mineiro Laticínios Porto Alegre, em termos orgânicos, excluindo os efeitos do câmbio e aquisições, o número corresponde a um crescimento de 0,5%. (Valor Econômico)

Sindilat

Sindicato da Indústria de Laticínios e Produtos Derivados
do Estado do Rio Grande do Sul

Contato

Av. Mauá - n° 2011 - Sala 505 - Centro
Porto Alegre / RS
CEP 90030-080

Fone: (51) 3211-1111 - Fax: (51) 3028-1529
E-mail: sindilat@sindilat.com.br

Newsletter

Nome
E-mail
Estou ciente que receberei as newsletter da Sindilat/RS
Back to top